O conflito

Uma “dica” de Edvaldo Pereira Lima é ter como ponto de partida os conflitos e, num segundo momento, interpretar suas causas e consequências. Encontrar os pontos nevrálgicos da questão, nos seus aspectos contextuais, processuais e temporais.

No caso da minha narrativa, a tão comentada ascensão dos países emergentes, vide o aumento do poder aquisitivo das classes C, D e E no Brasil, pode ser um ponto interessante, pois ele desencadeia um fato interessante para o início da abordagem dos direitos animais no Brasil.

A ascensão econômica desses países gera o aumento da demanda de carne bovina no mercado mundial.  O Brasil é líder em exportação de carne bovina. Comercializa até 7,4 milhões de toneladas com outros países, 24,4% de toda carne bovina exportada mundialmente. O volume de negócios cresceu com a alta no valor da tonelada do alimento no mercado internacional. A Rússia é o maior exportador de carne bovina no Brasil. Irã, Israel, Hong Kong e Filipinas também são alvos do mercado de exportação da carne brasileira.

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP, a produção brasileira ultrapassará os 14 milhões de toneladas de carne bovina até 2018.

O confinamento e o semi-confinamento são apontados como solução, pois se afirma que essa técnica de produção vem de encontro com a atual necessidade mundial de produzir cada vez mais, já que a demanda é crescente. Utilizando o argumento ambiental, os pecuaristas que adotam ou devem adotar esse método justificam a mudança pela sustentabilidade, pois assim não precisarão desmatar novos locais para aumento das áreas de pastagem.

Esse procedimento afasta ainda mais o Brasil do debate dos direitos animais. O que diz o abate humanitário sobre o confinamento de gado? Quais são as especificações? Quais empresas devem adotar ou já adotam essa técnica no Brasil, que tem como tradição a pecuária extensiva? Comparativamente, quanto aumenta a produção com o deslocamento do gado do pasto para o confinamento?

Levantarei o debate do direito animal partindo do conflito do aumento da demanda da carne no mercado mundial frente a produção extensiva brasileira. 

Anúncios

Sobre Renata

Ciclista, editora do site de notícias "informarubatuba.com" e jornalista do site Camaleão.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s